Inscreva-se nas newsletters do Blog da BlueTax:

Via whatsApp diariamente ou 

Via e-mail diariamente ou semanalmente

3753475733?profile=original

Numa lista de 94 países, o Brasil está em segundo lugar como um dos que têm a maior complexidade para cumprir com obrigações contábeis e fiscais, ou seja, manter as contas das empresas em ordem e os tributos em dia. O Índice de Complexidade Financeira de 2017 foi divulgado nesta segunda-feira (5) pela TMF Group, uma consultoria internacional voltada para desenvolvimento de negócios pelo mundo. 

 

Acima do Brasil está a Turquia e abaixo, a Itália – o que poderia sugerir que temos algum consolo. Mas não temos. Os sistemas tributário e de contabilidade brasileiros não consolam ninguém – pelo contrário. O italiano também não deveria. A lista da América Latina revela que é característica da região ter alta complexidade e muita burocracia para manter um negócio funcionando no país. 

 

Cumprir as leis tributárias nas três esferas – federal, estadual e municipal; manter as obrigações em dia e evitar ser pego num erro irrelevante – mas que pode sair custoso – são os desafios diários dos empresários brasileiros. É preciso incluir no projeto e no orçamento das companhias um departamento exclusivo para cuidar dos detalhes perversos do sistema nacional. E isto é custo na veia da economia. 

 

“Isso não facilita em nada a vida das empresas e afeta muito a competitividade da economia. Sermos o segundo país do mundo, o mais complexo das américas, afasta o investidor. Quem vai investir aqui leva isso em consideração e pode escolher outro lugar. Não é só da questão da crise politica e da economia”, disse Marco Sottovia, diretor da TMF Group Brasil, ao blog. 

 

A posição no ranking vem piorando ao longo dos últimos anos e o diretor da TMF Group me explicou o porquê. 

 

“Nós pioramos por dois aspectos. O primeiro é que incluímos na metodologia a área contábil, que tem muitas obrigações assessórias e dificulta a vida do empresário. Segundo, e principalmente, pela quantidade de mudanças que temos na legislação.  Quanto mais ela muda, mais o ambiente piora e não há previsibilidade. Isso também afeta as obrigações e piora a complexidade”, disse Sttovia. 

 

O governo criou há poucos meses uma secretaria especial para tratar das micro reformas e da desburocratização do país. É uma agenda extensa e que aglutina o Banco Central, que lançou o BC+, com objetivo de destravar o mercado de crédito brasileiro que é ultra regulado e amarrado. Com a crise política os holofotes esqueceram dessas pequenas coisas, que de pequenas não têm nada! 

 

O Índice de Complexidade 2017 pode ser um bom alerta para o momento da mudança.  “O Índice alerta que nós precisamos ter uma agenda de país, de Estado. Uma estrutura que seja capaz de reunir os sistemas,  capaz de desburocratiza-los. É importante que não sejam reformas com questões setoriais, mas de interesse nacional e suprapartidário”, conclui o diretor da TMF Group. 

http://g1.globo.com/economia/blog/thais-heredia/post/brasil-e-o-2-de-94-paises-em-ranking-de-complexidade-financeira.html

Veja também reportagem da Globo News em http://g1.globo.com/globo-news/globo-news-em-pauta/videos/v/brasil-fica-na-segunda-posicao-em-ranking-mundial-de-complexidades-fiscal-e-contabil/5919332/

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Blog da BlueTax.

Join Blog da BlueTax