A indústria 4.0 na área tributária – Parte 1

Por Lucas Leonardo Vieira e José Adriano Pinto *

 

Neste ano tem se falado muito a respeito da Indústria 4.0 e toda a revolução trazida com a alta tecnologia proposta. Com proposições como comunicação e cooperação entre sistemas e pessoas, essas novas tecnologias trazem oportunidades incríveis para o aumento da produtividade e, consequentemente de redução de custos. Esses são fatos e realidades para uma considerável parte do setor industrial, mas como esta revolução está afetando a área tributária no Brasil? Quais os impactos positivos e negativos? Qual a visão de futuro? Esta é a primeira parte do artigo que tem a pretensão de responder essas questões.

Primeiramente, iremos aos termos e fatos que há mais de 10 anos já são empregados corriqueiramente e que se tornaram “commodities” da transformação digital na área tributária brasileira, o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) e a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e). É fato que as implantações destas novas tecnologias causaram uma revolução, não só na maneira das empresas se relacionarem com seus clientes e fornecedores na emissão e recepção de notas fiscais, e na forma de apuração e demonstração dos tributos, mas principalmente na relação entre o Fisco e o contribuinte. O Fisco tem muito mais agilidade no acesso às informações e muito mais efetividade na fiscalização das operações com o cruzamento de dados e auditoria eletrônica, que em alguns casos ocorre quase em tempo real.

Um estudo feito pela Oxford University menciona que quase 98% da profissão de contador pode se “robotizar” ou “computadorizar” até o ano de 2030. O estudo baseia-se em dois movimentos: a adoção de RPA (robotic process automation) para realização de tarefas e a adoção efetiva de blockchain. Descreverei minha visão de futuro sobre estes movimentos nestes artigos.

Há pelo menos duas correntes sobre a transformação digital trazidas pela quarta revolução industrial. Embora sejam completamente contraditórias, na minha visão são apenas o mesmo retrato da transformação digital da área tributária brasileira em óticas ou ângulos diferentes. A primeira podemos resumi-la assim: Devemos acelerar a implementação de novas tecnologias como robotizações e automações. A parte da sociedade afetada adaptar-se-á rapidamente, pois com aumento de eficiência produtiva haverá mais dinheiro para circular na sociedade. Resumimos a segunda corrente como: Devemos frear ou deixar mais lenta a substituição da força laboral humana por máquinas, pois assim a sociedade terá tempo para se preparar para as mudanças que a impactarão.

As antagônicas visões do mesmo retrato trazido por essas correntes serão tratadas na parte 2 deste artigo.

* Lucas Leonardo Vieira compõe o grupo de especialistas em SPED da BlueTax, Contador e Administrador com MBA em Gestão de Projetos pela FGV e atua na área tributária da CBMM.

* José Adriano Pinto é Coordenador e Professor de MBA na BlueTax, Sócio-Diretor na Allsped, Especialista em Conformidade Fiscal, Compliance e Governança Tributária e uma das maiores referências em SPED do Brasil.

Fonte: http://blog.bluetax.com.br/profiles/blogs/a-industria-4-0-na-area-t...

Exibições: 385

Comentar

Você precisa ser um membro de Blog da BlueTax moderado por José Adriano para adicionar comentários!

Entrar em Blog da BlueTax moderado por José Adriano

Comentário de José Adriano em 17 dezembro 2018 às 7:43
Comentário de José Adriano em 17 dezembro 2018 às 7:43

Apoio

Receba a Newsletter Diária

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Apoio

© 2019   Criado por José Adriano.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço